O que é copywriting: A mais poderosa técnica de venda e persuasão do mercado. Aprenda tudo sobre!

As raízes do que hoje se tornou regra no marketing.

Somos uma espécie baseada em trocas, isto é inegável e a cada era uma técnica para aproveitar facilitar essa troca aparece.

Atualmente, essa técnica é a escrita.

A arte da escrita em copy, como é carinhosamente chamado o copywriting, é basicamente: uma técnica de vendas altamente persuasiva, talvez a que mais trouxe resultado desde os primórdios da humanidade, como veremos logo abaixo.

Powers, o pai do copywriting.

Considerado por muitos o pai do copywriting, John Emory Powers conseguiu este renome e não foi à toa.

Pioneiro nas diversas técnicas e estratégias criadas em meados do ano 1850 que são utilizadas até hoje, suas conquistas são incríveis:

  • Fez uma campanha de propaganda para a Wilcox and Gibbs que atraiu tantos clientes que eles sequer conseguiam cumprir a demanda.
  • Dobrou o faturamento da Lord & Taylor, atingindo 8 milhões de dólares anuais.
  • Tornou-se o primeiro freelancer em tempo integral de copywriting no mundo, lá em 1886.

Um ponto interessante é que ele se recusava a escrever caso não sentisse confiança no produto ou serviço que iria promover.

Esta linha justa de trabalhar o tornou um profissional renomado na época, fazendo-o ganhar cerca de $750,000 anuais!

Todo o restante do artigo tem como base diversos ramos que este “grande e imprudente“, como seus amigos o descreviam, realizou.

Nunca escreva um anúncio que você não gostaria que sua família lesse.

Esta máxima é de David Ogilvy que de cozinheiro, graças as suas avançadas técnicas de copywriting, tornou-se dono de uma das maiores empresas de propaganda do mundo.

Se algo mexe com você é provável que também influencie outras pessoas” – David Abbott.

Este foi outro grande nome que participou e enriqueceu diversas empresas!

Suas obras marcantes e pensamentos elevados a respeito do ramo, com toda certeza, são premissas de sucesso.

Destacados em suas épocas e baseados em Powers, estes empreendedores de sucesso apenas nos mostram o quanto podemos ser grandes se subirmos em seus ombros.

O copywriting no Brasil

Por mais que a arte da escrita seja influente na vida de diversos brasileiros que viajam ao exterior ou se comunicam pela internet há muitos anos, faz pouco tempo que foi reconhecida em solo nacional.

O jornal Estadão, por exemplo, publicou sua primeira matéria sobre apenas em 2017 sobre este “novo ramo”.

Porém, a Sociedade Brasileira de Copywriting (SBC) existe desde 2012 e com muitos casos de sucesso!

Além disso, muitos livros já foram produzidos em nosso idioma para abordar conceitos do ramo, alguns destaques entre eles são:

O ideal destes livros é seu posicionamento a respeito do marketing em nosso país e também por não serem tão antigos.

Ou seja, além de contarmos com especialistas, ainda não há grande concorrência no mercado!

O avanço tecnológico e a constante construção e estruturação da Web no Brasil necessitam de profissionais neste ramo.

O processo inicial normalmente vem por gosto ou pela oportunidade de trabalhar em casa.

E por isto chegamos ao próximo passo, a evolução de redator comum a um especialista em copywriting!

Menções honrosas de cursos específicos para copywriting.

O que não poderia faltar eram referências em atual atividade e aqui estão:

  • O mesmo Paulo Maccedo possui um curso chamado ALTMaker PRO.
  • A Empiricus possui o Copy Camp que está 100% em português.
  • A AWAI também aparece com seu curso em inglês para quem tem um pé no comércio exterior.

Todos estes são fontes renomadas e com cases recheados de sucesso em clientes de todos os tamanhos.

Com sucesso não só relacionado aos contratantes, os contratados alcançam novos patamares!

Afinal, nada melhor do que o apoio dos grandes para darmos os primeiros passos. Principalmente para se trabalhar com o que gosta!

O compendium do copywriting do Portal i9

Quer começar com o pé direito neste universo de escrita de conteúdo?

Neste artigo, reunimos os principais e mais genéricos pontos dentre todas as referências do mercado atual.

A imersão neste conteúdo acarretará em um grande avanço no seu ponto de vista relacionado ao marketing.

Porém, obviamente é a atuação no ramo com auxílio dos grandes que o farão sentir-se seguro em trabalhar com copywriting!

Portanto, pegue seu caderno de anotações e se prepare conosco para toda e qualquer especialização futura que você pretenda ingressar.

Afinal, o que é copywriting?

Basicamente, uma técnica de comunicação persuasiva… Capaz de fazer com que os clientes tomem uma ação. Seja esta ação a compra de um produto, ideia ou qualquer outro objetivo que interesse para o anunciante.

O marketing atual ao redor do mundo reconhece uma gama enorme de funcionalidades comerciais.

Sejam elas específicas para diferentes cenários ou amorfas e capazes de se adaptarem a qualquer tipo de negócio, a verdade é que são muitas!

Sendo assim, para compreendermos o que é copywriting, na essência, é necessário compreendermos as formas que o mercado opera.

Sendo ele como for, o que vai desde o vendedor porta-a-porta ao ambulante, do fisíco ou digital…

Basicamente, existem duas palavras que o definem:

Outbound e Inbound Marketing: As fontes do Copywriting!

Partindo do princípio, vamos falar um pouco sobre outbound.

A tradução para este termo é algo como “sem vínculos”, ou seja, é uma forma de mercado que não se interessa em fidelizar clientes.

Isto pode ser facilmente encontrado em diversos estabelecimentos, principalmente nas cidades grandes.

Centenas de lojas em espaços comerciais que deixam seus produtos na vitrine com ou sem preço é a melhor imagem para o outbound atual.

Sempre competindo por preços mais baixos, este é o fator que atrai seus clientes na maior parte das vezes.

Ou seja, você decide que precisa de um carregador para seu celular e se aventura para encontrar o mais barato, compra e adeus.

Já o inbound marketing tem a ver com criar vínculos com os compradores para que eles procurem seus produtos e serviços novamente.

Este método é com toda certeza mais moderno e atual, porém, por existir em menor quantidade, a qualidade é o diferencial.

Atualmente não há nenhuma grande empresa ao redor do mundo que trabalhe apenas com outbound. Ou seja, mais uma prova de que inbound marketing não é mais o futuro do mercado, mas sim o presente atuante!

Copywriting pode ser utilizado em ambos os métodos citados acima e isto é muito interessante!

Copywriting, marketing de conteúdo e redator publicitário.

Esta é a tríplice aliança para o sucesso em vendas ser garantido!

Cada um deles tem seus nuances que, quando unidos, formam poderosas ferramentas para a venda de produtos.

A junção das técnicas destes três ramos garantem a oferta dos produtos e serviços.

Atuar direcionamento disto com os consumidores é o que move o marketing atual no mundo!

Não há mais espaço entre os grandes, caso você queira apenas abrir uma loja e esperar que seus clientes entrem pela porta!

Sendo assim, vamos nos aprofundar em cada uma destas poderosas ferramentas.

Copywriting e sua capacidade de editar os desejos.

Abordaremos mais sobre este assunto ao longo do texto, porém, como uma premissa, o copy é: prática, habilidade e recursos.

Levando em conta que a maior parte de sua atividade seja no inbound marketing, ele funciona de duas formas distintas.

Um copywriting pode ser para conversão ou conteúdo, depende do objetivo final. Estes objetivos são:

  • Conversão:

Imagine o cenário outbound de comércios próximos, semprer à espera de que os clientes se interessem por algo… O que fazer para atraí-los?

Esta é a pergunta chave em materiais com propósito de conversão, é literalmente convencer um desconhecido a tornar-se cliente.

Porém, o processo de compra dos consumidores atualmente é muito mais complexo e há diversas etapas a serem concluídas.

Para cada etapa haverão recursos que os direcionam às ações exatas até finalizarem a compra e o melhor tudo… completamente satisfeitos!

  • Conteúdo:

Esta parte é estritamente utilizada em técnicas inbound de atração e fidelização dos futuros clientes.

Neste tipo de trabalho, o interessante é levar informação aos curiosos e mostrá-los, sem limites, o máximo possível.

Este artigo em si é inteiramente uma peça de copywriting para conteúdo informativo sobre si mesmo!

A ideia é mostrar o caminho de forma transparente ao extremo para que o cliente tome decisões conscientes.

Se ele não se interessar em seu produto ou serviço, ao menos terá uma ótima lembrança de sua marca!

Levando em consideração que isto é o que importa inicialmente, há ainda muito o que falar sobre.

Marketing de conteúdo não é copywriting de conteúdo!

Se você tem todos os recursos com o copywriting, o que poderia faltar para o sucesso? A estrutura!

A correta aplicação pode levar um produto completamente fracassado a ser desejado.

Neste aspecto, a ordem dos fatores pode não alterar o produto, mas a forma como ele é visto.

Tornar-se visto da melhor forma é o princípio para o sucesso! Sendo assim, o marketing de conteúdo é muito comum em 3 processos:

  • Fortalecimento de marca.
  • Nutrição de antigos ou possíveis clientes.
  • Aprimoramento de relacionamento com clientes e prospectos.

A redação publicitária e sua capacidade de ser simples e direta.

Aqui há pouquíssimo a ser comentado, afinal, em resumo é a propaganda final mais comum!

O que se é muito utilizado em redações publicitárias são imagens, cores, sinônimos e similares junto com textos.

Normalmente chocantes, atrativos ao extremo, engraçados ou com o objetivo que for, todos eles misturam textos, cores, formas e imagens.

A persona, ou seja, o objetivo final.

Então, agora que você já se identifica com o que faz ou fará, pode até mesmo expandir e aprender copywriting, marketing de conteúdo e redação publicitária!

Cada vez mais engajado lhe proporciona melhores aplicações de sua capacidade, porém, com o que você trabalhará?

Persona é se não o mais utilizado, um dos termos mais comuns dentro do ramo.

Ele significa uma construção semi-fictícia de um cliente em potencial e é moldado a base da história do produtor ou servidor.

A partir do momento que se tem uma ideia de quem você atingirá com suas habilidades, a chance de sucesso é muito maior.

O transitar das personas nas etapas de um “funil” até a compra.

Quando criamos uma persona, estamos apenas nos baseando em como nos apresentamos a eles.

Um dos propósitos principais é melhor atendê-lo, porém, o mesmo cliente passa fases até realizar a compra final.

Para isto, comumente chamamos de “funil de vendas” o estudo gráfico a respeito das suas personas.

Isto influencia diretamente a forma que você realizará seu trabalho, afinal, abordagens diferentes são necessárias em pontos distintos do funil:

  • TOFU: Este é o apelido carinho relacionado ao topo do funil, ou seja, pessoas que talvez nem conheçam seus produtos ou serviços.
  • MOFU: Aqui estão todos que já sabem o que querem mas estão estudando o mercado e analisando oportunidades.
  • BOFU: São todos os que já estão preste a fecharem negócio com você.

Desta forma, caso seu trabalho seja direcionado a personas no bofu, fica completamente inviável adicionar informações superficiais.

Alguém que já passou pelo meio do funil e estudou a fundo sobre irá se afastar caso não perceba um conteúdo forte no estágio final.

O atual modo flywheel de analisar as personas.

Existe uma outra alternativa na elaboração de seus copys que é ainda mais moderna, mas que não exclui a percepção do funil de vendas.

Chamada de flywheel, o que ela implica é literalmente o afeto na tratativa do cliente em todas as etapas!

De acordo com a HubSpot, pioneira neste novo funcionamento, atuar com o funil de forma robótica tem algumas complicações:

  • Obviamente haverão muitas pessoas que não irão ao meio do funil e isto gera uma necessidade constante de criação de novos conteúdos ao topo.
  • Após todo o processo da persona, ela simplesmente vai embora.

Em produções que o foco é o flywheel, é necessário dar atenção humanizada em todos os processos!

O resultado disto é que automaticamente ele se vincule ainda mais com a marca e retorne para o topo do funil ou até mesmo indique novas pessoas.

Atuando nestas condições, o foco é transformar cada um em propagandas ambulantes.

As ferramentas do bom copy!

Foi-se o tempo que apenas os robôs do Google eram enganados, mas não só isto, as pessoas não se enganam mais também!

Ao se deparar com um texto na internet sobre algo de seu interesse, é quase nítido se eles possuem ou não algum valor.

Principalmente quando as pesquisas são realizadas, o que não demora muito tempo e é perceptível diversos sites com o mesmo texto.

Você é só mais um? Você trabalha com clientes que querem ser apenas mais um?

O bom copywriting é original em sua totalidade e implica levar ao leitor conteúdo digno de sua atenção!

Desta forma, dedique-se em criar textos customizados a cada persona para a felicidade dela e progresso de você e seu contratante.

As vertentes de uma escrita persuasiva.

Copywriting é persuadir um possível cliente para realizar a compra consciente com você de algo que ele não se arrependerá.

Grave estas palavras: Não iluda!

Este é um princípio que Powers decidiu a si mesmo e que o levou a uma carreira de sucesso.

Desta forma, se você trabalha com um produto ou serviço integro, poderá realmente ajudar seu cliente a crescer!

A exata forma depende de que estágio no funil ele está, afinal, ele nem pode saber sobre as possibilidades que você tem a oferecê-lo.

E, de certa forma, não há ninguém melhor do que você mesmo para se apresentar a ele!

Sendo assim, persuadir se torna uma habilidade que deve ser utilizada de várias formas diferentes. Vamos ver algumas delas:

  • Reciprocidade.
  • Compromisso e coerência.
  • Aprovação social.
  • Afeição.
  • Autoridade.
  • Escassez.

Reciprocidade:

Este á um dos meios mais comuns encontrados hoje principalmente em produtos ou serviços digitais.

Grandes marcas como o próprio YouTube utiliza o “experimente 1 mês gratuito de nossa versão premium”.

Ou seja, durante um mês você utilizará um recurso otimizado e incrivelmente confortável com fim de que seja impossível se contentar com o normal novamente!

No caso do YouTube; assistir vídeos sem anúncios, conseguir deixá-los em segundo plano e até mesmo baixar seu conteúdo são ferramentas incríveis.

Muitas marcas utilizam a reciprocidade para persuadir seus clientes, mas claro, o conteúdo deve ser de qualidade.

Outro exemplo é o Netflix e veja que interessante…

Há alguns anos, quem dominava o ramo era a Blockbuster e, para quem se lembra, o atendimento era incrível!

Contando com uma equipe de funcionários que gostavam do que faziam e também recebiam bem, o atendimento era exemplar.

Não só isto, os valores eram agradáveis também, principalmente para pacotes de final de semana para a família.

Enfim, chegou o Netflix que, além de facilitar seu acesso a conteúdo do gênero em sua própria casa, possuía a mensalidade de 1/4 do que se gastava na Blockbusters!

Além disto tudo o que mais encontrávamos? A chance de o experimentarmos por 1 mês gratuitos e sem compromisso.

Cheque-mate! Este é o ponto que Powers quis chegar quando em 1850 afirmou que apenas trabalharia com quem oferece conteúdo positivo.

Compromisso e coerência:

De longe o maior exemplo a ser oferecido são os comerciais da Vale após o incidente de Brumadinho.

Insistentemente em vários canais televisivos e mídias sociais a marca se manifesta a respeito não do incidente, mas de suas ações.

Reconhecendo a responsabilidade, eles atuam em diversos setores diferentes referente ao dano que houve na região e nas pessoas.

De forma muito sincera eles afirmam que ainda há muito o que ser feito e isto reforça a existência da marca.

Estes princípios são um exemplo grandioso desta técnica de copywriting!

Por sempre buscarmos coerência em nossos comportamentos após a adolescência, uma pessoa que o vê engajado a algo o aceita da mesma forma que ele mesmo se aceita com seus compromissos.

Ficou simples compreender o funcionamento? Você irá refletir algo que existe dentro de cada um de nós para que haja vínculo e, neste caso, é voltado a um compromisso com algo maior!

Três regras são necessárias na composição deste tipo de copy, elas são:

  • Apresente apenas informações verdadeiras.
  • Não faça promessas que não possa cumprir.
  • Mantenha a lógica na construção do que produz.

Trabalhar com ilusão não é necessário ser comentado.

Prometer o que não cumprirá é o que poderia ter feito a Netflix não fechar as portas da Blockbusters.

A falta de conhecimento em marketing de conteúdo pode inverter a ordem das informações o que é danoso para a forma como é vista.

Aprovação social:

“Como menos de 5% dos humanos são iniciadores, a grande maioria são convencidos pelas ações dos outros.” – Cavett Robert.

Trabalhar em cima deste método é como utilizar a experiência de outros clientes para conquistar novos.

Em cidades grandes este método tornou-se popular nos comércios ilegais nos transportes públicos!

Mesmo com televisores e cartazes mostrando que é proibido e que este tipo de comércio não deve ser incentivado, você sabe o motivo de comprarem?

Pois os vendedores trabalham em duplas! Normalmente entram em dupla no metrô onde um vende e o outro compra.

Quando as pessoas percebem que estão comprando elas sentem-se atraídas pela ação de compra também.

O fato é que ninguém quer ser cobaia para nenhum tipo de ação, principalmente se ela não ganhar nada por isto!

Afeição:

Existem momentos em que os consumidores agem por impulso devido a conexões aprofundadas com suas emoções.

Muitas escolhas na vida são realizadas envolto ao bem estar interior, por mais que possa ser considerado um “mau negócio”.

Porém, se o produto ou o serviço tem valor para o cliente, utilizar meios de tocar seus sentimentos é algo incrivelmente poderoso!

Veja o comercial dos médicos sem fronteiras; imagens marcantes, música cativante e muita ação positiva a povos necessitados.

Se tudo isto fosse transformado em palavras, como seria? Esta é a forma que deve ser feito.

O jornalismo em si utiliza muito de afeição em suas matérias que cobrem assuntos referentes à situações negativas que as pessoas sofrem.

Toda esta transição do poder da mulher também é outro exemplo forte, afinal, uma grande parte delas abraçam a causa.

Similar com pessoas com gêneros não ortodoxos e outros muito exemplos.

Autoridade:

Powers, Ogilvy, Abbott, YouTube, Netflix, HubSpot e todas as referências encontradas aqui tratam desta técnica.

Diferente de aprovação social, lidamos com influenciadores de massas neste caso.

É comum comentar sobre grandes ícones do ramo ou até mesmo mesclar de forma irracional um ícone a um produto.

O que mais se encontra são jogadores de futebol com aparelhos de barbear, por exemplo.

Porém, esta técnica bem utilizada reflete profundo conhecimento e pesquisa com base sólida no que se demonstra.

E sim, este é nosso principal objetivo! Todas as referências não foram em vão, compartilhamos um conteúdo de primeira!

A maior dica aqui é a de lidar com nomes ou instituições que sejam reconhecidas pela persona.

Um cuidado com exatamente quem serão suas referências é essencial! Utilize sempre os maiores.

A intenção é compartilhar o sucesso e prosperidade dos grandes para os que crescem manterem seus desejos vivos!

Escassez:

Você já viu algo assim?

  • Corra! É por tempo limitado.
  • Últimas peças no estoque.
  • É só hoje!

Pois bem, isto funciona! Quanto maior o nível de fidelidade, melhor os resultados.

Uma curiosidade:

Você sabia que boa parte do ouro e diamante extraído do Brasil era escondido para demonstrar raridade e elevar seu preço?

Abordar os assuntos desta forma são métodos incrivelmente certeiros de conseguir seus objetivos!

Tudo o que é raro ou que não existirá por muito tempo nos proporciona sensação de desejo.

Grandes empresas, principalmente as alimentícias utilizam muito recursos como este.

O McDonald’s por exemplo sempre retoma a produção de algum lanche antigo e que atrai muitos fãs a quererem matar a saudade!

Gatilhos mentais dentro das ferramentas do copywriting.

Pois bem, agora o assunto começa a esquentar!

Afinal, dentro de cada um dos recursos comentados acima existem métodos de despertá-los e engajar os clientes com os produtos.

Estes gatilhos são motivadores psicológicos, atividades cognitivas e padrões de comportamento que levam as pessoas a agirem, ou seja, comprarem.

Sendo assim, um bom copy é, além de tudo, um direcionador para as pessoas tomarem decisões.

A partir do momento que são estruturados da forma certa, eles facilitam o cérebro para a tomada de decisões.

Afinal, sem incentivo é muito comum não realizarmos nada e ficarmos apenas observando até que a atenção seja desviada.

Palavras de ordem neste caso nos cansam menos e, contanto que o produto ou serviço seja de qualidade, a felicidade é certeira!

Portanto, por meio de frases ou palavras de impacto, este é um elemento essencial na escrita persuasiva!

Os gatilhos recíprocos:

Vamos mergulhar ainda mais na mecânica da comunicação recíproca, afinal, o objetivo é a persona.

Entregar algo de valor independente da etapa do funil é o que gera valor e grandes chances de retribuição.

Um copy atuante nesta classificação tem muito a ver com o presente que é oferecido aos clientes.

Da mesma forma que o Netflix oferece 1 mês gratuito de sua plataforma, diversos sites oferecem seus produtos.

Esta tendência torna comum o encontro de:

  • E-books.
  • Planilhas.
  • Cartilhas.
  • Trials.
  • Bônus.

No caso de copywriters, seu serviço será voltado à produção de conteúdo como os três primeiros exemplos ou no desenvolvimento da Landing Page, que é o “cheque-mate” dos sites.

Se a ideia é ser persuasivo, o conteúdo deve ser de extrema valia para a persona!

Um produto de qualidade entregue em troca apenas do contato pessoal deste interessado é uma porta aberta para seu trabalho de marketing conseguir uma venda!

Apenas atente-se à verdade e jamais quebre uma expectativa, afinal, promessas em vão o tornam um profissional descartável.

Os gatilhos para a prova social e a sensação de participarem em grupos:

O que faz a diferença no copywriting neste ramo são o uso da influência de terceiros para estimular ações nas personas.

Se você trabalhar em um caso onde haja possibilidade deste recurso, utilize sempre!

Os métodos mais comuns são:

  • Depoimentos.
  • Falas de especialistas.
  • Pesquisas de mercado.
  • Número de clientes.

Temos aqui a necessidade de trabalhar com a verdade, ou seja, iludir o cliente não é viável.

No caso de depoimentos, como você não precisará escrevê-los, conte sobre quem o fez além de suas próprias palavras.

Procure especialistas renomados possivelmente gerando uma tratativa de autoridade também, porém, o foco é a aceitação da marca e não sua admiração.

Pesquisas de mercado conseguem tocar nas pessoas o senso de que um enorme número de pessoas utiliza determinado produto e, de certo, há qualidade nisto.

Pode-se dizer que o número de seus clientes satisfeitos é o melhor marketing que qualquer empresa pode fazer!

Alguns moldes padrões dos últimos anos:

  • X empresas já foram impactadas pelos nossos serviços.
  • Faça como Fulano e comece agora mesmo a mudar sua empresa para melhor com o nosso produto!
  • Seja uma entre as X pessoas que foram beneficiadas com nossos planos de vantagens!
  • Confira o depoimento de fulano e entenda todos seus benefícios.

Detalhe: Seja original!

Os gatilhos que pegamos emprestados de autoridades:

Mantendo-se como o princípio da reputação, este processo é um vínculo entre sua marca e ícones.

A ação de transferir sua autoridade para outro símbolo pode ser perigoso, mas mostra que você tem domínio do assunto e possui uma ótima base.

Durante a produção de um copy, o meio mais comum de utilizar este recurso é colocando citações enter aspas.

Sim, isto foi utilizado neste texto.

Os gatilhos do desespero na escassez:

São quatro os tipos mais comuns de escassez no marketing:

  • Tempo.
  • Bônus.
  • Vaga.
  • Acesso.

O único porém para a marca de realizar este tipo de conteúdo é que é estritamente necessário o cumprimento da promessa.

Por exemplo: se são 30 dias de experiência, que seja 30 dias a todos os clientes.

Já ouviu falar em storytelling?

Bem-vindos ao que fez a Apple ser tão incrível, a capacidade de aplicar seus produtos dentro da vida dos interessados ou não!

Steve Jobs é de longe um dos vendedores mais bem treinados e disciplinado no seu método.

Para quem não conhece seu livro ou nunca assistiu uma palestra dele, é super recomendado.

Considerado por muito o gênios do storytelling nos últimos anos, ele levou isto a novos patamares junto com a Apple.

Storytelling é literalmente contar uma história cheia de envolvimento com os ouvintes para convencê-los de algo.

Esta é possivelmente a técnica mais antiga de todo o conceito de copy!

O porém é que não é tão simples quanto aparenta ser, criar uma história destas é praticamente uma obra de arte!

Ser pontual em seu conteúdo para não perder a atenção do leitor enquanto divide o conteúdo de forma não massante é uma árdua tarefa.

Por fim, o objetivo é envolver a persona em três pilares:

  • Identificação.
  • Jornada.
  • Emoção.

Narrar histórias onde personas e seus produtos ou serviços são inclusos é incrível!

A identificação que as personas automaticamente se encontram gera uma intimidade quase automática.

O processo que a história se desenrola o prende cada vez mais sua atenção e, por último, a emoção o leva a adquirir.

Ser criativo é uma exigência quase nata para uma consolidada apresentação de storytelling.

Isto é essencial pois, da mesma forma que tudo em marketing digital necessite ser original, fugir dos clichês nestas narrativas é o ideal.

O controle no romantismo também é o último fator mais importante a ser comentado antes de mergulharmos de cabeça neste tópico

A jornada do herói!

Ok! Todos já fomos crianças e sabemos o quanto heróis nos influenciam até hoje, mesmo quando eles deixam de serem fictícios e se tornam produtos ou serviços.

A ideia é transformar o que você venderá em um herói que participará da vida de uma persona de uma forma especial.

Compreender através da história a sua posição especial perante os demais é o que engaja com o gatilho de escassez.

Mas enfim, vamos à estrutura de um bom storytelling:

  • Introdução.
  • Problema, ou seja, a dor ou incômodo na persona.
  • Recusa ao chamado.
  • Mentor.
  • Grande desafio.
  • Resolução.

Um ótimo exemplo é o da fralda Hugs! Afinal, como 100% dos contratos hospitalares era com a Pampers, foi um árduo trabalho!

Para começar, iniciaram com mais de 600 pesquisas e informações úteis. Os dados coletados foram sobre abraços, pois:

  • Ajudam a estabilizar os sinais vitais.
  • Constroem sistemas imunológicos.
  • Afastam doenças.
  • Colaboram no desenvolvimento do cérebro.

Qual outro nome para a empresa senão Hugs que significa “abraços” em português?

A partir disto, a sua publicidade foi totalmente embasada neste contexto.

Houveram diversos processos para educar as mães a respeito do contato com a pele dos bebês.

Além disto, a grande sacada foi garantir que nos hospitais do Canadá houvessem voluntários para abraçar os recém-nascidos!

Estas ações trouxeram mais de 300% de engajamento com clientes e aumento de 30% nas vendas.

O funil de vendas do marketing.

Como já comentado acima, o funil de vendas normalmente divide-se em três etapas, porém, como cada empresa é única, há diferenças.

Entre todos os modelos possíveis encontrados na internet, todos possuem o mesmo padrão entre si:

Topo do funil:

O topo do funil representa uma quantidade incrivelmente maior tanto de personas quanto de pessoas que o visitam do que seu fundo.

Como o copy necessita ser alinhado com a persona e existem estágios diferentes até a compra, a produção do material deve calhar com o seu avanço.

Levando em consideração que inbound marketing nos leva a tratar os clientes como humanos, é necessário sempre atingir um certo grau de emoção!

Sendo assim, o topo do funil, por onde um número quase incalculável de pessoas passam, trabalha bem com a reciprocidade.

Imagine uma maré de pessoas vivendo suas vidas e, de repente, surge alguém e oferece para uma delas algo tão valioso!

Com toda certeza ela continuará sua vida, porém, a boa recordação o fará voltar ou até mesmo indicar a outros.

Esta é a mescla de funil com o flywheel em sua exatidão e a reciprocidade no topo funciona como uma luva.

Normalmente o que se oferece neste setor está o que é comumente conhecido como “materiais ricos”.

Ricos de conteúdo, no caso, ou seja; e-books, planilhas e copys que o informam e elucidam sobre possíveis dores ou incômodos.

Isto ativa na persona uma necessidade de compra, o que é o básico para poder se trabalhar todo o restante no…

Meio do funil:

Neste momento, principalmente hoje em dia que pesquisas são tão simples de serem efetuadas, pode ter certeza que a maioria de seus clientes o farão!

Sendo assim, após terem suas curiosidades despertas, o Google se torna o canal de busca mais conhecido do mundo para compreender mais sobre o assunto.

Eis o ponto chave: Um profissional é alguém que passa anos estudando e trabalhando com determinado tema e, consequentemente, deve possuir um amplo arsenal.

O que as personas esperam neste momento é exatamente isto, alguém transparente que converse de forma humanizada com ele.

O que muitos prestadores de serviços e produtores em geral sempre realizaram era apenas a oferta do seu serviço com promessa de melhoria mas sem explicá-lo em geral.

O inbound nos permite conversar e esclarecer todos os aspectos, demonstrar que confiamos tanto no nosso serviço que não o escondemos!

O relacionamento entre ambos cresce enormemente e, muito pelo contrário do que muitos pensam, não se perde clientes agindo assim.

Muitos possuem medo de compartilhar informações pois acreditam que eles apenas se vão, mas não é bem o que acontece.

As pessoas gostam de conhecer o que irão adquirir a fundo e, em muitos casos, quando percebem a complexidade, contratam ou compram.

Para eles pode até ser fácil estudarem e tratarem os incômodos por si só, mas é sempre melhor confiar em profissionais.

Enfim, os gatilhos mentais utilizados no meio do funil que possuem melhor resposta são o de prova social e storytelling!

O fundo do funil:

Imagine que você capturou a atenção de alguém que estava vivendo sua vida tranquilamente e o educou a respeito de suas dores.

Após ele o procurar e consultar diversos outros fornecedores, decidiu dar um passo a mais para negociar com você.

E agora? A venda ainda não está realizada e ele já sabe o que quer. Como você agiria?

Se a sua resposta foi persuadi-lo à compra, parabéns! Se completou utilizando os gatilhos mentais de autoridade e escassez, gabaritou!

Este é o momento que você deve demonstrar-se envolto de convicção no seu serviço e apoiado em base de outros grandes no ramo.

Independente do seu ramo, sempre haverá ícones e representantes que influenciam todo o mercado.

Unindo-se a eles neste propósito e levando em consideração que a persona está quase efetivando a compra, o que mais poderia levá-lo a isto?

Demonstre escassez da melhor forma possível! Ou seja:

  • Você o encontrou no meio da multidão.
  • O educou a respeito de suas dores.
  • Demonstrou de forma transparente tudo o que tem a oferecer para ajudá-lo.
  • Esperou que ele pesquisasse e voltasse.
  • Deu-lhe segurança de trabalhar com alguém estruturado.
  • Mostrou-o que existe a chance de você se ocupar com outro cliente.

De forma alguma este último ponto é desmerecendo seus clientes, apenas sendo realista de que você precisa trabalhar.

afinal, não existe possibilidade de aguardar um cliente durante muito tempo em muitos nichos no mercado atual.

Padrões de sucesso no copy.

Ao longo de muitos anos é possível encontrarmos obras que são atuais até hoje.

Em muitos casos, atuar com copy significa produzir conteúdos similares que durarão eternamente.

A forma que produções assim são chamadas é “evergreen”, ou seja, que estarão sempre prontas para uso.

Muitos nichos no mercado se alteram com frequência e não é possível a produção neste quesito.

Porém, quando for possível, crie um conteúdo formidável para que você e seu cliente se tornem referências no assunto!

A melhor forma para iniciar isto é com um título marcante, algo que realmente chame a atenção.

Uma vez que se conhece a persona é simples criar um argumento que o atraia, como:

  • X maneiras de atrair clientes.
  • Tudo o que você ainda não sabe sobre vegetarianismo.

Seja por curiosidade ou indagações, certifique-se de cumprir a promessa inicial ao longo do texto.

Enquanto o leitor acompanha seu trabalho é fácil se perder e existem métodos para ajudá-lo a compreender o conteúdo.

Comparações do que você diz com cases de sucesso podem criar conexões simples o suficiente para gerar engajamento com a persona.

Storytelling também é genial pois ele pode ter a chance de captar a essência de tudo o que seja necessário ser compartilhado.

Por último, exemplos sempre verdadeiros conseguem que qualquer leitor compreenda o que é necessário.

Lembre-se que seu texto não é um filme e sentir-se conectado com o que se lê é algo que está enraizado em nós.

Em livros é comum que os leitores se encantem com as histórias e se reconheçam com os personagens.

Em copy utilizamos a interação direta para com questionamentos e assim, aumentando a curiosidade e a atenção. Entende?

Alimentar a intimidade com com o cliente trás autoridade para que você se torne uma referência. Esta é a chave.

O copy em vendas.

Que a verdade seja dita! Um bom copy é simples e direto.

Existem 5 do que podem-se serem consideradas metas na criação de um copy, independente de seu tamanho.

Afinal, um longo texto pode ser tão simples e direto quanto uma obra publicitária com uma imagem e 7 palavras.

  • Chame a atenção da persona.
  • Explore o problema (a dor) do cliente.
  • Apresente a solução.
  • Desperte emoções com gatilhos mentais.
  • Mostre o caminho para a tomada de decisão.

Um exemplo claro é da Petco em sua publicidade “Down! Prices! Down!”.

Down significa o comando dado aos animais para que se deitem e algo tão simples é incrivelmente cativante a quem os possui.

Neste curto caso:

  • Chama-se atenção pois é inteligente.
  • Explora o problema pois normalmente sempre há uma busca de preços mais acessíveis aos pets.
  • Demonstra que eles se empenham em prover um preço baixo.
  • Gera emoção por ser algo tão próximo do contato com os animais.
  • Não mostra nitidamente uma tomada de decisão, mas deixa no ar a respeito de onde efetuar sua futura compra.

Em muitos casos onde se trabalha na confecção de landing pages, argumentos de 5 a 7 palavras são o ideal.

Uma frase de impacto curta unido de um material rico e um botão bem nítido para CTA são perfeitos!

CTA significa Call to Action, ou seja, um chamado para a ação que, no caso, é; clicar, receber o material e compartilhar seu e-mail.

O processo de escaniabilidade.

Esta parte tem como principal meta transformar ainda mais a experiência do leitor em algo positivo.

Além de todas os métodos para prover um conteúdo agradável ao conhecimento, sua estrutura também deve ser boa aos olhos.

Levando em consideração que atualmente seu conteúdo será visto nos mais demais tipos de aparelhos, ele deve ser estruturado para que funcione bem com todos.

Para isto há mecânicas a serem implementadas em sua elaboração, como:

  • Entretítulos.
  • Negrito.
  • Parágrafos curtos.
  • Listas.
  • Imagens.
  • Rede de links internos e externos.

Os detalhes que fazem a diferença.

Entretítulos auxilia muito a organizar o conteúdo compartilhado, afinal, estudar por tópicos é infinitamente mais fácil!

A construção deles é chamada de Head Tags, ou seja, são as marcas principais.

Normalmente divididos em H1 que é o título principal e único, H2, H3 e H4.

Um exemplo de construção:

  • H1 – A tecnologia não esperava por esta.
  • H2 – Os efeitos na natureza.
  • H3 – Os gases.
  • ” – A extração.
  • ” – A extinção.
  • H2 – Como combater?

Além desta facilidade, estudos científicos mostram como a visão do conteúdo é realizada hoje em dia pela maioria das pessoas.

Resultado de imagem para leitura em F
Fonte: WordPress.

Muito do que causa isto é a quantidade de informações que todos somos bombardeados diariamente.

Naturalmente desenvolvemos uma maneira de escanear melhor os textos e, os que se enquadram neste aspecto levam vantagem.

Para guiar os olhos do leitor que por muitas vezes possui pressa, o uso de negrito nas palavras mais importantes do seu texto é essencial.

Mas quando falamos palavras importantes, dizemos sobre o que normalmente é conhecido por palavra-chave.

Em SEO elas são o que facilitam o ranqueamento da página em si nos buscadores.

Porém, este é o assunto para outro artigo que você pode conferir AQUI. Clique com o botão do meio do mouse!

Parágrafos curtos como os encontrado ao longo de toda esta produção também são essenciais para o copywriting.

O exemplo de links como o realizado acima também é incrivelmente positivo, afinal, todo seu conteúdo deve fazer parte do seu negócio e um completar o outro.

Listas que são chamadas de “bullet points” resumem grandes e extensos assuntos em uma forma resumida de compreensão.

Por fim, imagens que dão o cheque-mate para a compreensão de qualquer leitor sobre seu produto ou serviço!

Um copywriting otimizado!

A partir do momento que possuímos um bom jogo de palavras-chaves a elaboração pode ser iniciada.

Uma escrita pensando em SEO torna todo o contexto ideal desde seu início.

Mas de nada vale ser copiado de outras fontes, afinal, como já dito, não só o leitor mas também o Google aplicará punições.

Originalidade e qualidade definem uma boa produção e, além disto, existe a regra dos 3 C’s:

  • Claro.
  • Conciso.
  • Convincente.

Fórmulas quase mágicas não mais secretas!

No começo foram citados livros e cursos onde é possível explorar muito mais além do básico.

Algumas das técnicas que diferenciam o copywriter amador de um profissional inclusas são utilizadas praticamente ao redor de todo o mundo.

Vamos conferir algumas:

  • Fórmula do 1-2-3-4:

Esta é praticamente a mais utilizada ao redor de todo o mundo e consiste em:

  • 1 – O que eu trouxe para você? (Tudo sobre o produto e o serviço).
  • 2 – O que farei por você? (As vantagens)
  • 3 – Quem eu sou? (A marca em si e sua autoridade).
  • 4 – Como prosseguir? (Frase de impacto, material rico e CTA).
  • Fórmula PAS (Pain, Agitate & Solve):

Esta técnica consiste em primeiramente mostrar a dor e depois sacudir toda a poeira e, por fim, mostrar a solução.

  • 4 P’s da Persuasão:

Relacionado também a seu nome em inglês, o significado é:

  • 1 – Promisse – (Prometa).
  • 2 – Picture – (Mostre o cenário).
  • 3 – Proof – (Apresente provas).
  • 4 – Push – (Revele o caminho).

Como exercício, tente por si só descobrir qual fórmula é utilizada em cada um dos textos abaixo:

Ads for Claude C Hopkins

7 erros que destroem um copy!

Existe uma série de empecilhos que transformam uma grande oportunidade em um tremendo desastre.

Não são essas situações de inovações ou uma forma de manter-se preso nos conhecimentos compartilhados aqui.

Muito pelo contrário, expandir e ser criativo no momento de confeccionar seus copys foi o que levou os grandes a seus patamares!

Porém, começamos com erros gramaticais, afinal, se seu ganha pão depende de um conhecimento não apurado pode faltar manteiga.

Dedicar um tempo à leitura contemporânea para quem escreve é quase uma obrigação.

Manter sua postura escrita sempre que possível é o ideal para o princípio de criá-lo como marca ao oferecer seus serviços!

De qualquer forma, seja imitando a escrita de outros ou explorando suas próprias capacidades, escreva com clareza.

Com frases curtas ou longas demais o entendimento pode vir por água abaixo e seu trabalho tornar-se apenas mais um dos 9.716.122.862 resultados que o Google nos mostra.

Exageros também devem ser controlados ao comentar sobre os produtos ou serviços em questão.

Excesso neste caso leva ao consumidor que não é burro a entender que se baseia no antigo método de outbound, ou seja, precisam vender e farão de tudo por isto.

Da mesma forma quando se é muito utilizado gatilhos mentais a produção se torna uma armadilha por mais que seu conteúdo seja incrível.

Citações de especialistas também devem ser aplicados com moderação, afinal, se não for para oferecer algo original, passe o contato direto de sua autoridade a seu cliente.

Mentir é algo que, além de imoral, atualmente gera muitas chances de que processos sejam levantados contra sua marca!

A postura na obra.

Além do que já se foi dito, existe algo básico que faz muita diferença: a pessoa.

A pessoa na escrita define muito bem o tom de todo o conteúdo!

Produzir suas obras em primeiro pessoa cria vida no copy, principalmente se houver depoimentos juntos.

Utilizar “você” gera também intimidade e conforto para o leitor quando uma formalidade exemplar não é necessária.

A diferença é que então temos duas formas de expressão; direta e indireta.

  • Direta:

“Dominar o copywriting leva não só as empresas, mas também seus funcionários a novos patamares de vida.” – Fulano da empresa X.

  • Indireta:

Conforme afirmado pelo Fulano da empresa X, as empresas que possuem funcionários capacitados em copywriting atingem em conjunto novos patamares de vida.

A relevância de suas fontes demonstram solidez.

O Fulano de uma empresa X disse isto e o presidente do Banco Central do Brasil o contradisse com isto.

Não que grandes autoridades estejam sempre corretos e muitas vezes a colocação oposta à massa gera engajamento.

A própria Dove e a Nike constantemente vão contra padrões em suas publicidades.

Seja a Dove apoiando as mulheres guerreiras e os homens que cuidam como a Nike apoiando esportistas por mau comportamento.

Enfim, consolidar-se com institutos oficiais ou outros conhecidos internacionalmente geram muito valor á sua criação.

O ideal é vender os detalhes das pesquisas que conquistem as personas!

Títulos para o copy.

Já que em um oceano de possibilidades a primeira impressão é a chave para todo o restante do processo, é necessário uma abordagem mais aprofundada sobre títulos para copywriting.

Pense nele como um gatilho mental para atrair a atenção dos seus futuros clientes.

Da mesma forma que não se é aconselhável utilizar poucas ou grandes quantidades de palavras juntas com um CTA, o título deve ter entre 5 a 8 palavras.

Quando se trata de copywriting para conversão, há um método de estruturá-lo que há anos geram bons resultados.

Veja a lista abaixo mas não a copie em suas produções, tome-as como base para sua criatividade!

  • A verdade sobre X.
  • Como ganhei mais de R$X em X semanas.
  • Como ter X sem ter de fazer Y.
  • O que ninguém te contou sobre X.
  • Você precisa conhecer X!
  • A fórmula que está revolucionando X.
  • Antes de você X, leia isto!
  • X truques que vão Y.
  • X maneiras de Y.
  • Como a empresa X conseguiu Y com nosso Z.
  • Desvendamos os mistérios de X!
  • Pare e leia agora sobre X!

Aposto que você já viu algum desses moldes e acredite, eles ainda funcionam, porém, o ideal é explorar novas possibilidades!

Especificações no ramo.

Vamos ser sinceros, a expansão do mercado nos últimos anos com todo o avanço tecnológico tornou-se imenso.

Ao escolher esta profissão de forma genérica, o tempo de produção se estende, afinal, haverá necessidade de pesquisar antes de começar o serviço.

Sendo assim, para otimizar o tempo e a qualidade na tratativa, o ideal é encontrar seu gosto maior e dedicar-se neste ramo.

Assim chamados de nichos, as possibilidades são imensas e aqui vai algumas delas:

  • Saúde.
  • Finanças.
  • Esportes.
  • Marketing.
  • Educação.
  • Moda.
  • Nutrição.

Além do tema, existe a especialização no objetivo, como; publicitário, conteúdo ou para fluxo de nutrição.

Como se não bastasse, existe a possibilidade de que haja especialidades até mesmo em seu formato!

  • Landing pages.

São páginas específicas para convidar as personas a compartilharem seus contatos pessoais em troca de conteúdos ricos ou períodos de experiência gratuitas com seus produtos.

  • Websites.

Elaborar um bom escaneamento aos sites é uma ótima maneira de ajudar qualquer marca a se destacar e há muita necessidade de atuações nesta área, principalmente pela quantidade de “criadores automáticos” de sites atualmente.

  • Blog posts.

Nada como um conteúdo altamente útil para os que buscam elucidarem-se melhor a respeito do que você venderá a eles futuramente.

  • Materiais ricos.

Estes são os presentes encontrados muitas vezes nas landing pages, trata-se de e-books, planilhas e similares.

  • E-mail marketing.

Você conseguiu o contato de uma persona? Ótimo! Porém você não quer deixar de manter contato e nem ser inconveniente com mensagens desinteressantes. Certo? O especialista em e-mail marketing cuida exatamente disto.

  • Scripts de cold calls.

Como se aborda por telefone alguém que nem sabe quem você é? Estas são as chamadas ligações frias e a melhor forma é que haja um roteiro a ser seguido para uma ótima apresentação!

  • Roteiro para webinars.

Os famosíssimos que conquistam cada vez mais seu espaço no mercado! Webinars são transmissões ao vivo que permitem interações com o público via chat.

  • Descrição de produtos.

O marketing digital cresce incontrolavelmente pelo conforto de aquisição sem sair de casa, porém, comprar algum item desconhecido e pouco valorizado é realmente interessante?

  • Publicidade em redes sociais.

Redes sociais atualmente impulsionam de forma incontrolável o alcance de marcas e a aquisição de novos clientes, sendo assim, portar-se bem e de forma atrativa é de suma importância!

Além de tudo, que haja um conjunto do que chamam de Soft Skills, ou seja:

  • Objetividade.
  • Curiosidade.
  • Clareza.
  • Criatividade.
  • Originalidade.

Treinando o seu copy.

Enquanto andar de bicicleta trata-se de uma memória muscular, interagir com outras pessoas através da escrita pode não ser tão natural.

Além de ler, como já dito acima, ter sua rotina de escrita mesmo que não lucrativa é uma ótima prática para o crescimento na área!

Adotando este hábito é possível trabalhar em cima do próprio texto mais de uma vez e experimentar diferentes colocações de palavras e argumentos.

Treinar para incluir com cada vez mais facilidade os gatilhos mentais é algo extremamente valioso a medida que seu texto se torna mais orgânico.

Além do mais, estas produções podem se tornarem…

O portfólio.

Absolutamente tudo o que você produz possui a capacidade de atrair contratantes.

Até mesmo os antigos são de extrema valia, afinal, é possível analisar seu avanço e calcular o quanto seu progresso evolui.

Demonstrar uma curva rápida de aprendizado abre portas para contratantes que buscam vincularem-se por longos períodos!

Desta forma, lembre-se de criá-lo para; impressão, digital e também pdf.

O portfólio de um copywriter deve conter:

  • Principais trabalhos.
  • Formatos variados.
  • Depoimento de clientes.
  • Resultados.

Estes quatro tópicos são tão essenciais quanto seu nome. Acredite!

Para completar ainda mais e enriquecê-lo, caso você estude a marca que deseja vincular-se anteriormente, basta jogar o cheque-mate!

Montar uma carta de apresentação unida dos desafios do contratante atualmente junto com uma proposta para solucionar é uma atitude admirável.

Dentro deste escopo, ser transparente referente aos resultados esperados gera muito valor.

Além disto, também ser claro quanto ao cronograma e o investimento necessário para seu vínculo fecham o negócio!

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here